quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Palestra para o GOE - BM


Há cerca de um mês, aproximadamente, fui consultada sobre a possibilidade de fazer uma palestra para o GOE – Grupo de Operações Especiais da Brigada Militar de São Gabriel. Admiradora que sou desse grupo de rapazes, que diuturnamente arriscam suas vidas para dar segurança à comunidade gabrielense, prontamente aceitei o convite. E comecei, então, a estruturar o tema e o conteúdo da tal palestra.

A primeira questão que surgiu pra mim, por evidente, é que não sou palestrante, mas Promotora de Justiça com atuação há quase treze anos na Promotoria de Justiça Criminal da Comarca de São Gabriel. Então, na verdade, a ‘palestra’ que eu pensava devia ser um grande diálogo, porque eles e eu estávamos nas pontas opostas de um mesmo trabalho: o combate à criminalidade.

Comecei a pensar, no entanto, nas questões atinentes à atividade fim, e o quanto esses brigadianos não tem, do Estado, o respaldo para o exercício de seu mister. A falta de capacitação permanente, a ausência de apoio psicológico integral em face da atividade, isso sem falar no salário aviltante.

É sabido que aquele profissional que atua sempre sob pressão, acaba desenvolvendo problemas de toda ordem relacionados com o que vivencia. É o que se depreende, por exemplo, da notícia que afirma que “Suicídio e crimes passionais de PM’s podem estar Ligados a falta de Programas de atendimentos Psicológicos”  ou então daquela outra que reza: “Psicologia preventiva evitaria tragédia, dizem PMS”
Isso aliás, já foi inclusive tema de tese acadêmica, dada sua relevância.
Capitão Silveira, Comandante do Esquadrão, também prestigiando o evento.

Penso que São Gabriel tem uma polícia exemplar, com casos pontuais e abusos e excessos, os quais são severamente acusados pelo Ministério Público.

No entanto, a rotina de trabalho de um grupo de elite, tal como o GOE, é merecedora de atenção especial quanto à sua capacitação nas questões de direitos humanos, haja vista que é inegável que o enfrentamento diário com o stress constante, com o que há de mais vil numa sociedade, pode embrutecer o homem – que até mesmo numa espécie de autodefesa se ‘desumaniza’ para suportar tanto horror.

Mas isso é que não pode, nunca, acontecer.

Esses policiais merecem ser valorizados diuturnamente, tendo consciência da sua importância para a sociedade, e assim reforçando sempre sua autoestima, para jamais se deixarem ‘desumanizar’, jamais se deixarem confundir com os criminosos que eles trabalham para combater.

Por fim, na semana passada foi realizada a palestra, que eu pretendia fosse um grande diálogo (mas não sei se porque falei demais, raras foram as intervenções), cuja tônica foi DIREITOS HUMANOS, ÉTICA, e também valorização da autoestima desses policiais tão valorosos.

Espero ter contribuído para aproximar ainda mais essas instituições – Ministério Público e Brigada Militar – que se complementam em suas atividades na repressão ao crime. Mas, sobretudo, espero ter conseguido dar aos policiais do GOE a dimensão da importância que eles tem, e o quanto são necessários à nossa população – por isso mesmo a imensa responsabilidade.

Ao final, preleção do Capitão Silveira ao grupo.



Abaixo, alguns vídeos que selecionei para apresentar na palestra. Compartilho com os leitores do blog.


Ética:

video


Fracassos são necessários (motivacional):
video


Declaração Universal dos Direitos Humanos:
video

Histórico dos Direitos Humanos:
video

video

Nenhum comentário:

Postar um comentário